O braseiro, o carvão e os membros de um grupo VISTAGE

Um homem que frequentava regularmente reuniões com seu grupo de amigos, sem nenhum aviso, deixou de participar.

Depois de algumas semanas, numa noite fria, um membro do grupo decidiu visitá-lo.

Encontrou-o em sua casa, sozinho, sentado em frente a lareira, onde ardia um fogo brilhante e acolhedor.

Após as boas-vindas, sentaram-se em frente à lareira.

Fez-se um grande silêncio.

Os dois passaram a contemplar a dança das chamas.

Alguns minutos depois o visitante, sem dizer nenhuma palavra, selecionou uma das lenhas, a mais incandescente, afastou-a com o alicate e voltou a sentar-se.

Em pouco tempo, a chama da brasa solitária diminuiu e o seu fogo apagou. O que então era uma amostra de luz e de calor, não passava de um negro, frio e morto pedaço de carvão.

O visitante, antes de sair pegou, com o alicate, o agora carvão, frio e inútil, e colocou-o novamente junto ao fogo.

De imediato a brasa voltou, alimentada pela luz e calor dos carvões ardentes ao seu redor.

Poucas palavras tinham sido ditas desde a saudação quando o anfitrião disse: ′′Obrigado pela visita e pela bela lição. Vou voltar para o grupo”.

Esta reflexão nos remete à importância de um grupo VISTAGE para seus membros.

Quando um membro dele se afasta, o fogo diminui e o membro perde o calor dos outros. Quando um novo membro entra o braseiro ganha força e mais luz.