Exigência ou não de retorno aos escritórios

Diversas empresas, independentemente do tamanho, relutam em se adaptar à realidade. A pandemia nos apresentou, de forma compulsória, o home-office. Todos tivemos que nos adaptar a ele, mas achávamos que era uma coisa passageira e que logo que ela passasse tudo voltaria ao “normal”.
Ledo engano! Aquelas que estão se programando para retorno aos escritórios estão se dando conta que precisam ser muito cautelosas se fizerem disto, uma exigência. Percebem a cada dia que podem perder competitividade. Boa parte dos seus melhores profissionais não querem retornar. Seja porque gostaram e se adaptaram a este novo modelo seja porque, além disso, se mudaram para outras cidades em busca de qualidade de vida.

Muitas empresas – cada vez menos, mas ainda muitas – pretendem fazer esta exigência. Quando se aprofunda no(s) porque(s) disso, observa-se que, em grande medida, isto é devido à insegurança das lideranças por não terem mais, sob seus olhos, o controle da situação, o controle da sua equipe. Uma falsa alegação é que as pessoas não trabalham como, ou o quanto deveriam, de casa. Outro engano.
A produtividade pode não ter aumentado, mas não há dúvida que as pessoas passaram a trabalhar mais horas em casa do que antes.

Quem ficar achando que tudo voltará ao que era antes, convém rever suas previsões ou perderão boa parte dos seus melhores quadros.
Algumas destas mudanças serão definitivas. É conveniente enxergar este fato com outras lentes. Caso contrário, o custo deverá ser alto.